Marielle é semente e vive entre nós

Quase três meses, quase noventa dias de um nó na garganta que parece que não vai desatar nunca. A gente segue porque é preciso seguir, a gente luta porque foi na luta que nos forjamos e foi lá que a gente se reconheceu, mas nada diminui a dor e o sentimento de impotência.

Três meses de saudades, aquela que aperta quando uma homenagem aparece, uma foto do sorriso é vista, quando em uma conversa despretensiosa o nome dela surge, três meses sem a nossa Mari, preta rainha, obrigada por nos ensinar tanto, obrigada por acreditar nessa luta coletiva e ser mais uma uma militante aguerrida em nossas fileiras. MARIELLE VIVE!

Marielle Franco era cria da maré, mulher negra e favelada, para nós que lutamos ombro a ombro com ela e hoje, para muitas pessoas espalhadas pelo mundo, isso não é mais novidade, mas o que propomos é a reflexão: o que significa isso?

Vivemos em um país que reflete em suas instituições e espaços de poder a desigualdade estrutural historicamente construída, o racismo e o machismo são feridas muito abertas e perceptíveis em um dos países que mais mata LGBTs e encarcera seus jovens negros, que mais aprisiona em medo e submissão suas mulheres.

Entender essas nuances é entender de qual espaço falamos, é entender os desafios colocados a um partido socialista. Entender que a questão de classe caminha lado a lado com a questão de gênero, de identidade e racial é compreender a importância da Marielle na nossa construção.

Após a linda primavera das mulheres no Rio de Janeiro, a eleição como a segunda mulher e a quinta no geral mais votada para vereadora na cidade do Rio de Janeiro, nos revela que a vitória expressiva de Marielle foi em parte o resultado de tantas mulheres nas ruas, a sua vitória inquestionável nos mostra que o PSOL foi quem mais conseguiu entender e absorver a pauta feminista, não foi outra mulher que se tornou um símbolo para todas nós, foi uma mulher socialista! Uma mulher que discutia classe no seu discurso feminista e anti-racista e discutia raça e gênero no seu discurso classista.

Importante lembrar também que Marielle começou sua militância pelos direitos humanos, pelo simples direito à vida, pelo direito de não morrer por uma bala perdida dentro de casa, pelo direito de poder andar livremente sem a cor ser um impeditivo, pelo direito de não ser preso porque sua condição social lhe criminaliza. Lutar pelos direitos humanos em um momento de tantos retrocessos sociais também é o seu legado, bem como, alcançar outras pessoas que sabem o que é viver em um país que criminaliza a pobreza, além de organizar pessoas para a luta é a nossa única forma de honrar àquela que tanto fez por nós e por muitos.

O nosso luto ainda está presente, está presente em cada reunião de mulheres sem ela, está nas atividades do setorial de favelas, nos lançamentos de pré candidaturas. Nossa luta está estampada em camisas, em adesivos, nos nossos panfletos, nos nossos textos, nas nossas falas, nosso luto tá estampado na nossa luta diária e cabe a nós transformamos a nossa memória em conquista, é por ela, é por nós, é pela sociedade que queremos. Marielle está em todos nós e está viva!

#MariellePresente

#MarielleVive

PSOL Carioca

Site oficial do Diretório Municipal do Partido Socialismo e Liberdade da Cidade do Rio de Janeiro #50

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *