Manifesto em defesa da vida digna e dos direitos

Nós estamos ao lado de todos os brasileiros e brasileiras que não se deixam sufocar pelo medo e acreditam na construção de um futuro melhor. 

Estamos ao lado de todos os brasileiros e brasileiras que diante do ódio, reafirmam a crença na igualdade, dignidade e fraternidade.

Que diante do autoritarismo, não confundem justiça com vingança e defendem a democracia sem distinguir cidadãos de primeira ou segunda categorias.

Que diante do fanatismo e da censura, são plurais, criam e lutam pelo respeito às diferenças de ser e pensar.

Que diante da devastação ambiental, estão ao lado dos indígenas, quilombolas e da preservação do planeta. 

Que diante dos ataques aos direitos dos trabalhadores, pelejam pela dignidade e valorização dos homens e mulheres que vivem do suor do seu trabalho nas cidades e no campo.

Que diante do avanço do desemprego e da extrema pobreza, querem que todos os brasileiros e brasileiras tenham trabalho digno, comida na mesa e direito ao lazer. Que diante do avanço da ganância e da desigualdade, lutam para acabar com o abismo entre ricos e pobres.

Que diante da entrega das riquezas do nosso país se colocam ao lado daqueles e daquelas que lutam pela soberania nacional.

Que diante daqueles que fazem da morte e do medo um palanque político, continuam firmes na defesa da vida.

Que diante do racismo, machismo e LGBTfobia, não abaixam a cabeça e tem a coragem de ser e lutar pelos direitos de todos e todas.  

Muitos acreditaram que Bolsonaro significaria uma ruptura com a velha política. E agora estão descobrindo que foram enganados, que Bolsonaro não representa e nunca representou o novo. Favorecimento de seus familiares em cargos públicos, defesa dos interesses do agronegócio que está devastando a Amazônia, desmonte dos órgãos de combate à corrupção para proteger seu clã, compra de votos para aprovar a reforma da previdência em favorecimento aos bancos, permissão para que pessoas andem armadas nas ruas e ataque aos direitos dos trabalhadores.

As cidades são centrais nessa luta porque é nelas que as pessoas vivem e onde esses desafios se materializam no cotidiano: direito à moradia, saúde, educação, transporte, água limpa, esgoto tratado, segurança, cultura.

O Rio foi transformado num enorme balcão de negócios, onde direitos viraram mercadoria, em benefício do lucro de poucos.

A cidade sofre com o total abandono de quem mentiu quando prometeu que cuidaria das pessoas. Nos últimos 3 anos, serviços sociais e equipamentos públicos vem sendo sucateados, do BRT aos hospitais, das escolas as clínicas de família, e mais uma vez os mais castigados são os que mais precisam. Da cidade dos megaeventos só está sobrando a dívida e as remoções.

O Rio novamente serve de laboratório para um projeto conservador que extermina a população periférica e pobre da cidade, que trata as diferentes questões sociais como simples caso de polícia.

É nas cidades que vamos construir um projeto alternativo que pense nas pessoas. É nas cidades que uma nova onda de esperança está se formando para mostrar que o Brasil é muito maior do que Bolsonaro, Witzel, Crivella e do que todos aqueles que fazem política com ódio. 

Na nossa cidade, o Rio de Janeiro, devemos seguir firmes na resistência. Para isso precisamos dos esforços de todos os lutadores e todas as lutadoras que estão comprometidos com a construção de uma sociedade com novos valores e de um novo mundo! 

Vida longa aos lutadores e lutadoras sociais!

Fórum de Resistência Democrática
Rio de Janeiro
30 de Agosto de 2019

 

AGENDA:

3 de Setembro – Ato “Ditadura Nunca Mais” na ABI às 18h

5 de setembro – dia da Amazônia 

7 de Setembro- Grito dos excluídos

12 a 30 de Setembro – Festival Político Cultural Coletividades Negras de Lançamento da Campanha de combate ao Racismo Institucional, na UFRJ 

19 de Setembro – Greve da Rede Estadual de Educação

19 de Setembro – Lançamento da campanha “Reparação Já! Haiti e Porto Rico”, com festa caribenha em apoio a realização do Encontro de Mulheres do MST, no Armazém do Campo

20 de setembro- Greve Mundial pelo Clima

29 de setembro- Mulheres Unidas contra Bolsonaro

3 de outubro – Dia nacional em defesa da soberania

Novembro – Curso Anual de Comunicação Popular e Sindical com Núcleo Piratininga de Comunicação

 20 de novembro – Dia da consciência Negra

25 de novembro – Dia de combate à violência contra as mulheres

10 de dezembro – Dia dos direitos humanos

PSOL Carioca

Site oficial do Diretório Municipal do Partido Socialismo e Liberdade da Cidade do Rio de Janeiro #50

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *