Contribuição do Setorial LGBT

CONTRIBUIÇÃO LGBT AO PSOL CARIOCA

Somos travestis, mulheres transexuais e homens trans, lésbicas, sapatões, bissexuais, pansexuais, gays, bichas, veados, andrógenas, não binários, queer, intersexos, ursos bem como uma gama de outras identidades de gênero. Nos organizamos no Setorial LGBT do PSOL. Nos diferenciamos de outros grupos de defesa dos direitos LGBT porque a nossa não é só contra a LGBTfobia, mas também contra outras formas de opressão (machismo, racismo, elitismo, a perseguição à cultura afro-brasileira, outras intolerâncias religiosas etc.), bem como pela construção de outra sociedade, radicalmente democrática em que sejamos tod@s verdadeiramente livres. Também nos diferenciamos pela defesa da educação e da saúde universais e de qualidade. Entendemos a educação pública, gratuita e de qualidade como condição para superarmos os preconceitos dispersos na sociedade, bem como a naturalização do mal que nos atinge. Não concebemos a transformação via educação sem a superação das desigualdades sociais. Nós temos sofrido cotidianamente violência sistemática, estrutural e institucional no Brasil e no mundo.

O Brasil, sobretudo o Rio, vive uma conjuntura de retrocessos justificados pela retórica da crise. Direitos sociais e humanos vem sendo negados para a população. Neste contexto de crise, crescem os movimentos de extrema-direita, as perseguições às minorias, bem como as propostas como escola sem partido e os fundamentalismos religiosos. Grupos se voltam contra a educação contra as opressões, dentre elas aquela que nos afeta. Eles propõem mudanças no Plano de Educação da cidade nos quais seriam excluídas as temáticas da questão da identidade de gênero. Recentemente, negaram a criação do dia do orgulho lésbico no Rio. Além disso, Crivella faz um governo fundamentalista, tentando barrar a tradicional parada gay da cidade, bem como eventos ligados aos povos de terreiros. Seu governo trabalha no sentido de apagar a diversidade carioca.

A falência do Rio de Janeiro não é sentida igualmente por todos. Existem consequências percebidas por toda classe trabalhadora, mas alguns setores sofrem um impacto maior. A precarização da segurança pública afeta as lésbicas que, cada vez mais, continuam sendo alvo dos estupros de machistas que justificam seus atos pela tentativa de “corrigir” sua sexualidade. As transexuais e os gays mais afeminados são os primeiros a serem demitidos de seus trabalhos por causa do preconceito, sobretudo aquelas que abandonaram as escolas por causa da violência física e simbólica sofridas nestes espaços. Sem contar o assédio que sofrem. A falta de uma educação pública e transformadora de qualidade significa que crianças continuam sendo expulsas de suas famílias por causa de sua sexualidade e/ou identidades. Os cortes de gastos sociais adiam ainda mais a criação de abrigos públicos e adequados para os receberem. Se a saúde pública é precária para todos, faltam médicos, no setor público e privado, capazes de lidarem com a nossa alteridade. Nós, pessoas LGBT e a comunidade sexo-diversa como um todo, somos mais afetadas por vivermos em uma sociedade extremamente hierarquizada. A expectativa de vida de uma travesti é de 35 anos. Isto piora quando acumulamos em nossos corpos outras opressões, como o racismo.

Nós LGBTs conquistamos uma série de direitos. Elegemos candidatos assumidamente fora do armário de esquerda, atuando entre outras formas através do “Se a Cidade fosse das LGBT”. Atuamos ativamente na última campanha, organizando encontros com o Freixo, Cláudia Grimberg, David Miranda, Jean Willys, Indianara e outr@s militantes. O setorial organizou recentemente um seminário de formação. Temos nos encontrado periodicamente. Protestamos nas ruas no aniversário de Stonewall, bem como pelo orgulho LGBT. Apesar disso, ainda temos muito para avançar.

Por isso, apresentamos uma contribuição a militância carioca:

@s signatárias deste documento encaminham as seguintes sugestões:

1. Formar e fortalecer @s militantes LGBT para protagonizar nos espaços públicos e privados, dentro e fora do partido, em diretórios, secretarias e demais comissões;

2. Convidar pessoas LGBT com formações e saberes diversos para compor os mandatos;

3. Promover a discussão contra quaisquer opressões, dentre elas aquela que nos afeta;

4. Favorecer o acesso de pessoas LGBT – sobretudo travestis, homens trans e mulheres transexuais – ao mercado de trabalho;

5. Rejeitar filiações e candidaturas de militantes que violem os direitos dos LGBTs ou defendam, mesmo que retoricamente, quaisquer preconceitos e formas de opressão;

6. Opor-se aos retrocessos aos direitos sociais e às políticas públicas, bem como lutar pela implementação dos direitos humanos, independente de identidade ou orientação sexual;

7. Construir redes com movimentos sociais LGBTs e apoiar as casas de acolhimento;

8. Garantir a visibilidade para nossas lutas, eventos e intervenções;

9. Interseccionar a luta das pessoas LGBT com o combate às outras opressões, como o machismo, o racismo, o anti-indigenismo, a xenofobia, o antissemitismo, a islamofobia, o preconceito com povo de santo e o classismo;

10. Brigar por uma educação pública de qualidade e avessa à heterocisnormatividade, levando os debates sobre LGBTfobia para as escolas.

Assinaturas:
Natasha Karenina de Sousa Rego
Pedro Parga Rodrigues
Isabel Silva Prado Lessa
Anderson Felisberto Dias
Eduardo Glasser da Motta
Pamela Kopp Franco Silva
Joana Santos Igayara
Cristiano Lacerda de Souza
Felipe Barreto Quidet Muniz
Carlos Bittencourt
Zaíra Silva Freitag de Mello
Claudia Maria Felix Grimberg
Aparecida loureiro dias
MARCIO ANASTACIO
LUIZA FOLTRAN AQUINO
Jacqueline Nicole Negrete Blass
Luana da Silva
Vicente Margarida Moutinho
Marielle Franco
Regina Célia Oliveira Bueno
Gabriel Souza Bastos
Amanda Mendes Fraga
Felippe Oliveira Spinetti de Santa
Rita Matta
Matheus Belo França Pereira
Wescla Vasconcelos Braga
Rafaela A. Carvalho
João Felipe Rodrigues Machado
Ana Eliza Guimarães Chaves
Cintya dos Santos Callado
Felipe da Silva Aveiro
Alexandre Trennephol
Guilherme Cohen
Camila Montovani
David Miranda
Rodrigo Luís Veloso
Jean Wyllys
Alessandra Ramos
Fabiano Azevedo
João Pedro Queiroz