Bandeiras de luta do PSOL

Na luta por um mundo melhor, o PSOL está presente em diversas lutas. Para conhecer na íntegra o programa do partido, acesse: psol50.org.br/partido/programa

Conheça algumas das nossas bandeiras:

Na defesa dos direitos democráticos!

Cada dia vemos mais ataques aos direitos fundamentais de expressão, organização, manifestação, ensino e liberdade religiosa. Projetos como o Escola Sem Partido buscam impor mordaça e pensamento único nas escolas, impedindo qualquer forma de estímulo ao pensamento crítico e à problematização da experiência concreta dos alunos e professores. Uma reforma política no sentido oposto ao necessário busca inviabilizar os partidos de esquerda e leis repressivas criminalizam movimentos sociais e manifestações. O presidente eleito ameaça abertamente prender seus opositores e destruir o ativismo no país. O PSOL luta pela manutenção e expansão destes direitos arrancados a duras penas por gerações de lutadores e lutadoras.

Na defesa dos direitos dos trabalhadores e trabalhadoras!

Todos os dias, trabalhadores e trabalhadoras de diversas áreas sofrem com falta de direitos e condições dignas de trabalho (isso quando há trabalho!). Lutamos pela valorização do salário mínimo; garantia de direitos trabalhistas como aposentadoria, trabalho formal, licença-maternidade de 6 meses, condições dignas de trabalho; direito de organização em sindicatos, manifestação e greve; pela redução da jornada de trabalho; contra o desemprego, etc.

Na defesa do meio ambiente!

O consumo desenfreado, a opção por energias altamente poluentes, a poluição causada pelas grandes empresas e indústrias e agronegócio, agravados pela globalização e exploração de recursos em qualquer lugar do mundo, têm gerado males ao planeta e à humanidade, a exemplo do desastre em Mariana/MG causado pela SAMARCO, e possibilitam, em nome do lucro, o desrespeito à vida e à possibilidade de um futuro onde os povos sejam soberanos. Nesse sentido a valorização da agricultura familiar, a reforma agrária, o respeito às florestas e diversidades da fauna e da flora, o combate aos transgênicos (alimentos geneticamente modificados), ao agronegócio e ao consumismo são algumas das bandeiras do ecossocialismo, que o PSOL defende.

Na defesa da juventude!

Nossa juventude tem sido cada vez mais alvo da precarização do trabalho e do desemprego e da falta de educação pública de qualidade. A lógica consumista e individualista do capitalismo também é mais cruel entre a juventude cada vez mais assediada pelas propagandas e pela necessidade de consumo de determinados produtos. Por outro lado, a juventude sempre foi fundamental nos processos de luta e resistência. Presente na luta contra a ditadura, nos grandes movimentos culturais, no impeachment do Collor, e em diversos movimentos anticapitalistas no Brasil e ao redor do mundo, a juventude quer construir um mundo melhor. O PSOL tem um grande peso da juventude e encampa suas lutas!

Por mais direitos para as mulheres!

Apesar de ser propagandeado a todo instante que o machismo não existe mais, percebemos que as mulheres ainda ganham menos que os homens para o mesmo salário, são maioria entre os desempregados, ainda tem dificuldade de exercer sua sexualidade e a maternidade livremente e sofrem como vítimas de violências (no Brasil, a cada 20 segundos uma mulher é vítima de violência). O PSOL quer transformar essa realidade lutando por direitos para as mulheres a partir da sua organização e intervenção política. Assim, conseguiremos contribuir para uma sociedade onde as relações entre homens e mulheres sejam mais iguais e mais humanas.

Direito à cidade!

Em nossas cidades, se faz cada vez mais presente a existência de muros que separam ricos e pobres. O direito de ir e vir não se concretiza já que o preço da passagem é um absurdo e o serviço é péssimo. O direito à moradia continua sendo uma desastroso tanto para os que têm que pagar preços impossíveis, quanto para quem tem que se sujeitar a moradias em situação de risco e com deficiência de água e esgoto tratados. Educação? Segurança? Saúde? Pode de esperar sentado/a! O PSOL não concorda com essa situação, por isso está presente nas lutas contra a especulação imobiliária, por transporte estatal, público, de qualidade e a baixo custo (em defesa do passe livre), por uma reforma urbana que garanta moradia digna às pessoas e por um manejo consciente de nossos recursos naturais, bem como do saneamento básico como um todo.

Direitos Humanos já!

O sistema capitalista, por essência, depende, para a sua sobrevivência, da recorrente violação de direitos. Nunca haverá um capitalismo “justo” ou respeitador dos direitos humanos fundamentais. Porque, no sistema capitalista, o valor do capital está acima do valor da vida do ser humano. Nesse sentido, a luta pelos direitos humanos interpõe-se como ponto central na disputa contra o capitalismo. Ser socialista, hoje, implica em lutar em defesa dos direitos fundamentais de todos aqueles que são desprezados, criminalizados e mesmo eliminados pelo sistema dominante. Só alcançaremos um modelo de sociedade igualitário e respeitador dos direitos fundamentais quando suprimirmos por completo o sistema capitalista.

Democratização da comunicação!

Os jornais, revistas e TV mostram quase sempre a mesma opinião disfarçada de imparcialidade. Enquanto isso, rádios comunitárias, iniciativas populares de comunicação e acesso a informação e cultura são reprimidas pelos governos. O PSOL luta por formas de comunicação mais democráticas, que reflitam a diversidade de ideias presentes na sociedade. Só há democracia sem monopólio das grandes mídias!

Todo apoio à luta pela terra!

A terra, fundamental para garantir os alimentos que nos permitem a vida, tem se transformado cada vez mais em mercadoria. Vemos cada vez menos famílias, muitas delas vítimas de grilagem, cultivando a sua roça para tirar seu próprio sustento e contribuindo com legumes, hortaliças e frutas na mesa do brasileiro/a e cada vez mais grandes propriedades produtoras de cana, soja, eucalipto, entre outras monoculturas, construindo um império do agronegócio cujo lucro vai pras mãos de poucos. A reforma agrária é fundamental e está associada à soberania alimentar de um povo. O PSOL encampa essa luta!

Todo apoio à luta pela moradia! Reforma Urbana já!

Milhões de famílias vivem em áreas de risco, não apenas devido a enchentes e desabamentos. Há milhões que estão no dia-a-dia vivendo em péssimas condições, sem acesso a água, saúde e transporte de qualidade, e esgotos a céu aberto. Mesmo levando em conta a possibilidade de melhorias destas moradias precarizadas, seriam necessárias mais de 6,6 milhões de moradias para combater o déficit habitacional do país.

Defendemos a mobilização dos sem-teto e dos movimentos populares por moradia. Somos a favor de uma ampla reforma urbana, que tenha na raiz o combate à vergonhosa especulação imobiliária.

Combate ao racismo e contra a opressão dos negros.

A escravidão terminou como modo de produção – embora vergonhosamente tenhamos ainda no Brasil ilegalmente algumas áreas de trabalho escravo -, mas o racismo continua e os negros e as negras são os mais explorados e discriminados dos trabalhadores e do povo. Recebem menores salários do que os brancos; são os mais pobres, com menor acesso à escola e possibilidades de emprego. Chamamos o combate sem tréguas ao racismo, a toda e qualquer discriminação e repressão. Denunciamos como vendedores de ilusão e como pretensos defensores da luta do movimento negro aqueles que defendem a possibilidade de integração e de igualdade racial no capitalismo brasileiro. O movimento negro do novo partido irá discutir o programa necessário para enfrentar de modo eficaz esta luta.

Pela livre expressão sexual e pelo direito a vida.

A perseguição à livre expressão sexual é uma constante que se expressa no trabalho, em locais públicos, no lazer e dentro dos locais de ensino.

Seguimos vivendo no país que mais mata pessoas LGBTI do mundo, sendo esse dado um reflexo do que é a repressão policial e social a qual nos é imposta diariamente. A luta pelo direito à livre orientação sexual e de identidade de gênero, é não só uma luta nossa, mas também a luta pela nossa existência.

As mobilizações de centenas de milhares de pessoas em todo o país durante as chamadas paradas LGBT, com algumas marchas chegando a um milhão de pessoas, mostra o claro avanço da luta pelos direitos civis.

Contra toda e qualquer violência e preconceito a respeito da orientação sexual e de gênero das pessoas LGBTI! Pelo reconhecimento da união matrimonial de pessoas do mesmo sexo e suas decorrências legais! Pela educação libertadora e inclusiva! Pelo direito a vida!