Contribuição da Comissão Organizadora para o III Seminário de Planejamento da Internúcleos

Inscreva-se aqui!

Nos dias 4 e 5 de fevereiro ocorrerá, no Méier, o III Seminário de Planejamento da Internúcleos, o primeiro após a experiência do Se a Cidade Fosse Nossa aplicada em um processo eleitoral. Será o primeiro espaço de maior fôlego para um balanço e busca de novas iniciativas para a luta pelo Direito à Cidade no Rio de Janeiro após a campanha do PSOL encabeçada por Marcelo Freixo e Luciana Boiteux. Este documento tem por intuito apresentar em breves linhas o que a Comissão Organizadora (CO) deste importante encontro preparou para o espaço, com o sentido de levar o debate que faremos no espaço para os núcleos do partido na cidade do Rio de Janeiro, sentido de construção real de um partido democrático, plural e horizontal. Dividimos o texto pela pauta prevista para o encontro, embora não seja uma amarra para a militância do partido, e sim um ponto de partida sobre o que devemos esperar deste espaço.

Na abertura do encontro, às 9:00 da manhã, será eleita uma comissão de sistematização para as propostas que surgirem nos pontos de Oficina de Comunicação, Se a Cidade Fosse Nossa e Organização e Organização. É imprescindível que todos os núcleos do partido enviem, pelo menos, dois representantes para o evento, sendo o espaço aberto e sem eleição de delegação.

2016, o ano que não terminou.

O planejamento de um ano não é tarefa fácil para nenhum coletivo político no país hoje depois da convulsão de acontecimentos políticos que atravessaram o Brasil em 2016. Torcemos para o ano acabar pois a cada dia um novo golpe era dado aos explorados e exploradas, retirada de direitos e violências cotidianas. O Estado brasileiro nunca foi da classe trabalhadora, e agora o Capital cobra a conta de seu domínio. De um lado, subsídio para grandes empresas e aumentos para alto magistrado, de outro, fechamento da UERJ. 2016 apenas se encerrou no calendário oficial, mas a expressão política de tempos sombrios para os lutadores e lutadoras apenas começou.

Como provocadores e animadores do debate de conjuntura (nacional e internacional) que faremos no seminário, teremos uma representação do PSOL Carioca, além das representações do MTST e o MAIS. Rumos da esquerda, saídas e a busca de sínteses de avaliações são a tônica deste primeiro espaço. O ponto ocupará a manhã, iniciando às 9:30 da manhã e encerrando às 13:00.

Comunicação e movimento

Na Oficina de Comunicação, que ainda está em fase de elaboração pelo Grupo de Trabalho de Comunicação do PSOL Carioca, o objetivo é criar um diálogo entre as diferentes intervenções do partido na sociedade, através de núcleos, o diretório, correntes e mandatos parlamentares. Sem a pretensão de padronizar e retirar o caráter plural de nosso partido, busca-se aqui trabalhar para uma maior identidade entre as diversas vozes partidárias, a troca de experiências internas e externas do partido, o elo com o popular e a intelectualidade, a junção entre o pensamento radical e a vida cotidiana.

A cidade ainda pode ser nossa

O PSOL, desde quando fundado, cultivou uma proposta de um partido amplo em vários aspectos. Nos últimos anos, a militância psolista do Rio de Janeiro avançou numa prática militante não vista em nenhum outro estado ou município brasileiro. A formação de diversos núcleos, em diversos bairros e diversas regiões da cidade, impulsionando a experiência da internúcleos e, consequentemente, uma política de disputa da cidade carioca de massas e que ameaça os poderosos da cidade.

A construção do Se a Cidade Fosse Nossa é resultado da atuação militante e massificada do PSOL na cidade. É fruto de uma experiência que precisa se reoxigenar constantemente. Desta experiência que foi possível uma aliança verdadeiramente ampla, com diversos movimentos, pautas, organizações lutadoras e de esquerda, e uma proposta radical de mudanças.

A Internúcleos acredita que se a experiência do SCFN paralisar apenas no apoio a Marcelo e Luciana, mesmo com todo apreço que temos por esta campanha eleitoral, seremos derrotadas pelo modus operandis capitalista de fazer política. O representativo deve ser um instrumento para o poder direto, popular e horizontal. A aliança eleitoral é apenas reflexo da aliança nas lutas, pelo Fora Temer, em defesa da UERJ, na luta das mulheres, LGBTs, negros e negras, e muitas outras. Intelectuais, partidos, movimentos e lideranças populares devem continuar caminhando juntas por uma mudança radical, pelo fim das opressões e da exploração.

Nossa luta é radical, é anticapitalista e o SCFN é uma mensagem, já dita há 100 anos na Rússia, de que nenhuma revolução é impossível se as diferenças entre os explorados e exploradas são menores que seu sentimento de união. Assim como nenhuma revolução será possível pelas mãos de apenas um partido, aliás esta será sempre derrotada. O PSOL Carioca luta por um movimento político permanente de unidade entre os diferentes, com fraternidade, pluralidade, horizontalidade e alegria.

No ponto de pauta, a CO do seminário encaminhou que haverá uma fala inicial por zona da cidade (Sul, Norte e Oeste) combinada pelos núcleos das respectivas regiões. Além disso, todos os setoriais com representação presente no encontro devem apresentar breves informes de sua atuação e da experiência do SCFN nos diversos temas. O companheiro Bruno Marconi, do Núcleo Barra/Recreio e Vargens também apresentará uma contribuição sobre o SCFN na abertura do ponto de pauta.

Organização

A proposta da Internúcleos é ainda muito recente e pouco disseminada no PSOL como um todo. Mesmo no Rio de Janeiro, muitos militantes em diversos bairros não cultivam a cultura de participar de um núcleo de bairro ou mesmo setorial partidário. Precisamos pensar o que é preciso mudar e o que é preciso ser mantido e reforçado nas formas de organização da internúcleos no próximo período. Disponibilizaremos o atual estatuto da internúcleos no anexo deste documento, pois este será discutido no ponto. O papel da secretaria da Internúcleos, hoje com representação provisória, será de novo debatida e redesenhada para o próximo período.

Construção

Como último ponto do seminário, vamos encaminhar um plano de ações e iniciativas coordenadas pela Internúcleos, em diálogo com os núcleos, diretório e mandatos. Já estão prevista a aprovação de uma cartilha de formação de núcleos, um boletim de comunicação da Internúcleos, reuniões frequentes e rotativas nas regiões da cidade, além da promoção de discussões de temas centrais para a conjuntura atual, ou mesmo formações e oficinas a serem mobilizadas pelos núcleos.

Para melhor orientar as discussões dos núcleos, colocamos abaixo o resumo dos encaminhamentos do Seminário de Planejamento da Internúcleos realizado em março de 2015:

Ponto 1 – Sobre o objetivo dos núcleos, é objetivo dos núcleos:

a) Expandir sem fragilizar, com segurança, especialmente na Zona Oeste e favelas.
b) Construir sua intervenção ao lado dos movimentos.
c) Combater as forças conservadoras: apresentar o PSOL como alternativa.
d) Trabalho de base nas ruas: organização popular e agitação do partido.
e) Realizar formações políticas.
f) Organização dos trabalhadores, disputando as entidades existentes na localidade.
g) Parte estrutural da democracia partidária.
h) Fomentar a criação de novos núcleos.
i) Manifestação Ético-estéticas.
j) Acumular sobre a discussão programática do PSOL.
l) Promover a pluralização e popularização do PSOL.
m) Organizar banquinhas como referências espaciais e sua militância nucleada.
n) Promover a relação de toda a militância partidária com os setoriais do partido.

  1.  Contribuir para a produção de política de comunicação do partido.
  2.  Contribuir para a relação do partido com os mandatos parlamentares.
  3.  Construir a Internúcleos.

o) Organizar uma política de autofinanciamento do núcleo, inclusive cotizando para o diretório municipal do PSOL.

  1.  Dialogar com a juventude e a dinâmica dos bairros, no intuito de fomentar as lutas no território.
    Territorializar as pautas e agendas gerais do partido.
  2.  Construir campanhas.
  3.  Aproximar núcleos que não participam da Internúcleos.

Ponto 2 – O que foi aprovado no planejamento de 2015:

Tarefas prioritárias da internúcleos para 2015: construção do programa municipal; fomentar a criação de novos núcleos.

Atividades prioritárias: 1) debate pra formação do programa-movimento; 2) apresentações do PSOL; 3) promover o buraco do lume itinerante.

Dividir a cidade em três zonas: oeste, norte, sul-centro – onde essas atividades se revezam trimestralmente.

No primeiro trimestre (abril, maio, junho)

Programa = ZS

Buraco do lume = ZO

Apresentação do PSOL = ZN

No segundo trimestre (julho, agosto, setembro)

Programa = ZO

BL = ZN

PSOL = ZS

No terceiro trimestre (outubro, novembro, dezembro)

Programa = ZN

BL = ZS

PSOL = ZO

Locais prioritários onde queremos construir o PSOL: Madureira, Leopoldina, Rocinha e Terreirão.

PSOL Carioca

Site oficial do Diretório Municipal do Partido Socialismo e Liberdade da Cidade do Rio de Janeiro #50

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *